O amor só morre por suicídio

Amitrano

É possível que o amor venha a falecer? Estou especificamente falando daquele tipo de amor que na nossa língua portuguesa chamamos de ‘’amor romântico’’. Enfim, o amor que um dia sentimos por alguém  (que nos tirava o fôlego, que nos fazia sonhar, que nos arrepiava)  pode deixar de existir?

Por que tantos casamentos de pessoas que declaravam amor eterno se desfazem diariamente? Bem, muitas são as perguntas e nem sempre temos respostas para todas, mas baseados na experiência de escuta e observação que a vida nos proporciona, chegamos à conclusão pessoal de que, sim, o amor pode morrer… Mas nunca de morte natural.

O amor é um sentimento eterno que traz, em sua gênese, o dom da imortalidade a menos que nós mesmos o matemos enterrando- o vivo. É o suicídio do amor.

Começa quando através do trato, das palavras grosseiras, das ofensas diárias, vamos a cada gesto jogando terra sobre ele. É claro que o dia a dia e suas múltiplas dificuldades nos impedem de sermos polidos o tempo inteiro, mas devemos lutar contra isso e estar cientes de que essa atitude, pá a pá, enche de terra o amor que um dia tanto alegrou a nossa vida.

O amor se suicida quando tentamos mudar a pessoa amada e fazê-la à nossa imagem e semelhança. É muito interessante a capacidade que temos de destruir no outro aquilo que nos encantou. Possivelmente pelo medo de que outras pessoas se encantem também. Uma forma de vestir, de falar, de sorrir, de se comunicar… A ousadia de emitir opiniões próprias e bem elaboradas… Tudo isso que nos despertou interesse na pessoa amada pode ser um alvo de destruição porque o nosso narcisismo primário impede a existência de ‘’um outro’’ tão outro num relacionamento tão íntimo.

É claro que todo relacionamento conjugal e familiar cria naturalmente os seus próprios complexos e regras que nos adaptamos no decorrer da relação, mas falamos de mudar a essência da pessoa amada. Isso, sim, é uma grande armadilha para o suicídio do amor.

E assim caminha a humanidade. Entre separações, divórcios e ‘’novas oportunidades’; vamos avançando. Procurando sempre no outro o espelho de nós mesmos. Sepultando o amor que um dia brilhou como o raio da alva; sem saber que o matamos com ações e egoísmo e guardamos ainda em nosso armário interior a pá suja de terra do relacionamento anterior.

Clique e role até o final pra comentar ou ler

 

20 comments on “O amor só morre por suicídio”

Amor, como tudo na vida, requer cuidado, atenção e liberdade para ser o que os dois quiserem e crescer a partir dos frutos plantados pelos dois. Sempre acredito que o amor é a cura para tudo nessa vida! Belas reflexões!

Obrigado, Marise. O amor é a coisa mais importante da vida e, de fato, traz a cura nele mesmo. Infelizmente é o assunto menos estudado pelas pessoas. Deveria haver matérias nas faculdades sobre o amor.

Que ” COISA LINDA “!
ALMAS ! ESSÊNCIAS !
BASE DE VIDA , DE TROCAS.
CUIDEMOS DO AMOR:
PEDE REGAS É ÀS VEZES AS PODAS QUE TANTO O REVIVEM COMO O MATAM.
TEXTO DE REFLEXÃO PROFUNDA MUITO BEM EXTERNADA.
👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏⚘🌹🥀🌹🌹🌹🌹🌹🌹🌹

AMITRANO como você idealizou acima: Deveria existir matérias nas faculdades sobre amor.
Digo que tive o contentamento de ler Léo
Buscaglia ( 1924- 1998 ) , renomado conferencista,
professor de pedagogia da Universidade da Califórnia do Sul criou um curso popular chamado AMOR, do qual se originou o best seller de mesmo título : AMOR.
Uma excelente contribuição…

Eu pensei , li e amei.
Tenho carinho por esse livro.
Até a capa sugere AMOR.
Uma rosa vermelha.
Sensibilidade nos induz a essas buscas.
Você na sua Perspectiva de vida assim pensou também.Muito bom.
Amei esse tema por você
abordado.
PARABÉNS!

Que interessante esse texto, a luta dos opostos: amor e morte definem o curso e são o fundamento da vida.

Para amarmos o outro, segundo Freud, no mínimo o outro deve merecer nosso amor. Eita, como o amor é egoísta, individualista. É mesmo a realização do próprio ser. Ver no outro o reflexo do nosso próprio amor e merecê- lo, por ser igual ou melhor do que o nosso amor, um modo de amar mais perfeito. Nossa, como é tão difícil amarmos o outro, quando é tão antagônico e incompatível ao nosso amor. Penso que o termo de amar ao próximo, é: amar ao teu próximo como esse te ama.

Trazendo Edgard Morin, a convivência diária torna as relações mais prosaícas e menos poéticas… somos consumidos por um cotidiano que, se não estivermos atentos, brutaliza as relações amorosas, tornando-as ressentidas e esvaziadas de poesia.

Isso, Anita. Nós somos os maiores responsáveis pelo fim do amor. “É preciso estar atentos e fortes”. Ser vigilantes em relação ao cotidiano… esse é o maior desafio. Obrigado pela contribuição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *