Obsceno

Na cama, eu sou obsceno

Não meço palavras

Nem tenho reservas

Muito menos, pudores

Sou cobra criada

Um tanto perversa

Que solta o veneno

Que deixa a mordida

Que lambe a ferida

Que mata de amores

 

Obra registrada e todos os direitos reservados

Clique para comentar ou ler

 

1 comment on “Obsceno”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *